O ambiente de negócio do século 21

Jose Davi Furlan Business Transformation Expert, Keynote Speaker and Author 17 de nov de 2014 O fato de os clientes estarem satisfeitos não significa que está tudo bem e que basta não provocar problemas para mantê-los – muitos dos que desertam seus fornecedores são categorizados como satisfeitos por não terem criado uma conexão emocional e …

BPM ou MMA (Mixed Management Arts)?

por Jeann Vieira, CBPP, BlackBelt, Coach, Coordenador de Projetos e Processos da Anatel Ao se falar em processos, gestão de processos, ou mais corretamente, Gerenciamento de Processos de Negócio (BPM), há que se ter em mente que BPM é uma evolução das diversas escolas de administração ao longo da história. Remontando ao século XVIII, onde uma oficina …

Ecossistemas de negócio

Organizações do século 20 tinham por característica travar “guerras” individuais com organizações similares (competidores) com objetivo de superá-las – criavam ecossistemas nos quais eram o único personagem competindo com outros ecossistemas nas mesmas condições. No século 21, o paradigma se desloca para posicionar organizações como parte de ecossistemas de negócio, deixam de competir de forma …

Mediocridade é um preço alto a se pagar

O Índice de Experiência do Cliente (Customer Experience Index) publicado anualmente pela Forrester para uma base média de 150 grandes marcas nos EUA considera satisfação, facilidade e atendimento das necessidades. Indica quão dispostos os clientes estão em permanecer ou trocar de fornecedor. A publicação de 2014 mostra que 48% dos clientes estão felizes ou razoavelmente …

Descobrindo o que os clientes realmente querem

Em uma visão de dentro para fora é comum executivos e equipes afirmarem que estão fazendo um bom trabalho e oferecendo excelentes experiências para os clientes. Quando essa mesma avaliação é feita de fora para dentro o resultado normalmente é o contrário: clientes se queixando e afirmando que mudariam de fornecedor se houvesse uma melhor …

A maioria dos negócios é carente de arte

Organizações frequentemente gastam muito tempo tentando se diferenciar, mas pouco tempo em eliminar fatores de irritação dos clientes. Após analisar chamadas nas centrais de atendimento, a T-Mobile notou que a maioria reportava problemas elementares, como contas emitidas erradas. Então, a questão não era encantar os clientes com novos serviços, mas corrigir problemas nos serviços existentes …

Deslocando o paradigma da posse para locação

Como produtos e serviços tendem a se comoditizar pela ação da concorrência, diferenciação por adição de características e redução de preços são as estratégias mais amplamente utilizadas para reter clientes. Bean & Van Tyne chamam isso de “vórtice da comoditização”, uma forte corrente no mercado que faz com que concorrentes ofertem mais por menos. O …